Associação de Eletroeletrônicos pede diálogo sobre reformas e importação

O presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), José Jorge, defendeu que o governo federal deve conversar com seu grupo antes de tomar medidas que estão em estudo, como a redução das taxas de importação e a reforma tributária, que deve ganhar espaço em agosto.

Jorge afirmou que sua agremiação já está conversando com o governo sobre a reforma tributária. Em sua visão, esse é o “tema mais importante” do momento para a associação, uma vez que o texto da lei pode impactar seus associados e até criar uma guerra fiscal.

“Não pode haver migração de negócios de um estado para o outro. É importante a manutenção dos investimentos nesses locais, e, que eventualmente, esses investimentos não saiam do País. Precisamos, sim, de uma reforma tributária que resolva o manicômio fiscal do Brasil e que dê segurança jurídica às empresas”, disse o presidente da Eletros.

Em relação à redução dos impostos, Jorge pede prudência ao governo. Durante a abertura daEletrolarshow, em São Paulo nesta segunda-feira, 29, ele ressaltou que as 30 companhias associadas à Eletros investem pesado no País, e que geraram 150 mil empregos, pagaram R$ 16 bilhões em impostos e somaram R$ 47 bilhões em receita em 2018.

“Se é para mudar a regra tem que ser com cautela. Não podemos ficar à mercê e não discutir as novas regras. A inclusão do Brasil nas cadeias globais é uma realidade. O que a gente discute e pede ao governo é uma condição igual ao mercado de fora”, completou. “É necessário que se faça mudanças, mas com muito diálogo. Não pode (ser uma decisão) que fere as empresas, os dinheiros que elas trazem e, principalmente, as 150 mil famílias que dependem deste trabalho”.

Mobile time – 30/07/2019

Compartilhe (Share)

Faça um comentário

ver todos comentários