Portal Eletrolar.com

Notícias

Smartphones, eletrodomésticos e TVs serão os itens de maior procura na Black Friday

Smartphone foi mencionado por 31% dos participantes, eletrodomésticos (11%) e TVs (6%), segundo a pesquisa encomendada ao IBOPE Conecta pelo Mercado Livre.


Os smartphones serão o item mais cobiçado para compra na Black Friday, indica pesquisa do Mercado Livre encomendada ao IBOPE Conecta. O produto foi mencionado por 31% dos participantes. Eletrodomésticos (11%) e TVs (6%) contemplam o ranking dos três mais citados.

O levantamento revelou, ainda, que 79% pretendem aproveitar as ofertas da Black Friday em 2018. A internet segue como tendência de canal para compra durante o período: 51% dos participantes aproveitará a data – que neste ano cairá em 23 de novembro – para realizar suas compras online. O resultado oscilou positivamente em relação ao ano passado, em que 48% declararam utilizar o canal digital.

Vantagens do canal online

Além da internet, 13% dos consumidores utilizarão as lojas físicas e 37% farão as compras tanto em canais físicos quanto digitais para aproveitar a data.

Na comparação com lojas físicas, o fator determinante para que as lojas online sejam as eleitas para as compras é um melhor preço ou maior desconto, mencionada por 54% dos entrevistados. Além disso, frete grátis (30%), possibilidade de parcelamento (8%) e variedade de produtos (7%) foram os demais fatores citados.

O levantamento foi feito com mil pessoas entre os dias 19 a 25 de setembro, e ouviu participantes de ambos os sexos, maiores de 16 anos e pertencentes às classes A, B e C, de todas as regiões do país.

Adesão à data

O alto índice de adesão à Black Friday (70%) está relacionado a um histórico favorável na data: 95% dos que compraram na edição passada declararam ter tido uma experiência positiva, ao encontrarem bons descontos. Já em relação às razões para não aderir à campanha, a restrição financeira é a principal. Entre os 21% que não tem intenção de consumir na data, mais da metade (51%) mencionou a falta de dinheiro como motivo. Desinteresse foi mencionado por 42% e 7% declararam que não gostam de comprar na data.

Antecipação do Natal, categorias e produtos de desejo

Assim como na edição anterior da pesquisa, metade (50%) dos respondentes usarão a Black Friday para adiantar as compras de Natal. Os demais se dividem entre os que não pensaram a respeito (35%) e os que não pretendem comprar os presentes de Natal nesta data (14%).

As categorias que despertam maior interesse no consumidor são Moda e Acessórios (30%), Celulares (21%), Eletrodomésticos e Linha branca (20%), Saúde e Beleza (19%) e Livros (18%). Em relação à quantidade, 44% pretendem comprar até três produtos na promoção este ano, índice que era de 39% no ano passado; 17% comprarão quatro ou mais produtos e os 39% restantes ainda não se decidiram sobre a quantidade de itens.

Previsão de gastos e formas de pagamento

Em relação à previsão de compras para a Black Friday, 47% pretendem gastar acima de R$ 500. Gastar de R$ 50 a R$100 é a expectativa de 5% e a faixa de preço seguinte, nos valores entre R$ 100 e R$ 250, foi mencionada por 9%. Parcela similar (10%) declarou que seus custos ficarão entre R$ 250 e R$ 350. Os valores de R$350 a R$ 500, foram mencionados por 13%.

Dentre os 42% dos participantes que declararam que vão utilizar o décimo terceiro salário para comprar na Black Friday, 7% utilizarão o valor integral na data, e o restante (35%) informou que utilizará o valor parcial. Enquanto 25% declararam não receber o benefício, os 33% restantes usarão o 13º para outros fins.

Sobre a forma de pagamento, o comportamento do consumidor é praticamente o mesmo que no ano anterior: a opção de pagar alguns itens à vista e outros de forma parcelada no cartão liderou nos dois anos com 35%. Na sequência, 28% declararam nas duas edições da pesquisa que irão parcelar as compras no cartão de crédito. A opção à vista no boleto recuou de 23% para 21% neste ano e o pagamento à vista no cartão de crédito cresceu 14% para 16% na edição de 2018.

Fonte: e-commerce Brasil

publicidade