Recursos do FGTS não foram usados para quitar débitos, diz Banco Central - Portal Eletrolar.com
Portal Eletrolar.com

Notícias

Recursos do FGTS não foram usados para quitar débitos, diz Banco Central

Atraso de dívidas de consumidores e empresas em mais de 90 dias atinge 4%, o pior resultado da série histórica, iniciada em 2011

FGTS
Os R$ 37 bilhões sacados de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) por 22,1 milhões de brasileiros não foram usados para abater dívidas. Dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC) apontam que o nível de inadimplência dos consumidores em maio cresceu para 4,1% após quatro meses de estabilidade em 4%. A situação é ainda pior para as empresas. O nível de calotes chegou a 4%, mesmo com as companhias renegociando as dívidas. No ano, o indicador acumula alta de 0,5 ponto percentual. Esse é o pior resultado da série histórica, iniciada pela autoridade monetária em março de 2011.

Com isso, a inadimplência total do sistema financeiro chegou a 4%, a maior desde que o BC começou a compilar os resultados. Quando são analisados os dados relativos ao crédito livre para empresas, o percentual de dívidas em atraso por mais de 90 dias chega a 6%, também um recorde. Diante do nível de calotes, as instituições financeiras têm mantido as provisões para perdas nos maiores patamares já registrados. No caso de bancos privados com controle nacional, a taxa chega a 9,4%.

As instituições financeiras públicas mantêm as provisões em 5,7% e as estrangeiras em 6,6%. O chefe adjunto do Departamento Econômico da autoridade monetária, Fernando Rocha, explicou que o Brasil passou por dois anos seguidos de recessão e, com isso, era esperado que o nível de calotes também aumentasse. “A alta da inadimplência era esperada. Essas taxas são baixas e as instituições financeiras estão bem capitalizadas e bem provisionadas”, disse.

Apesar de minimizar os efeitos da elevação do calote para empresas e consumidores, Rocha admitiu que os dados indicam que os recursos sacados de contas inativas do FGTS foram usados para consumo e não para abater as dívidas. “As pesquisas que apuram o desempenho do comércio mostram resultados melhores desde que os saques começaram”, comentou.

Na opinião de João Augusto Sales, especialista em bancos da consultoria Lopes Filho, os dados precisam ser analisados com cautela. Na opinião dele, o crescimento da inadimplência das empresas é mais preocupante porque as companhias têm feito seguidas renegociações de dívidas para postergar pagamentos e ganhar prazo para que a economia se recupere. Entretanto, a geração de caixa das firmas não têm crescido a ponto de fazer frente aos passivos.

Problemas pontuais

No caso da inadimplência dos consumidores, destacou Sales, alguns problemas pontuais têm afetado o ritmo de pagamento de financiamentos. Ele destacou que a grave crise fiscal de estados e municípios tem implicado atraso no pagamento de salários. Consequentemente, o estoque de parcelas em atraso de consignado e outras linhas de financiamento cresceu. “Nesse caso, não há o mesmo nível de preocupação. Precisamos acompanhar a evolução dos dados, mas acredito que chegamos no teto dos principais indicadores”, disse.

O crescimento da inadimplência para as empresas é apontado como uma tendência preocupante pela economista-chefe da Rosenberg Associados, Thaís Marzola Zara. Para ela, a recuperação do mercado de crédito para pessoa jurídica levará mais tempo do que para pessoa física.“Ainda há um risco de crédito considerável, derivado da retração da economia de mais de 7% em dois anos”, ressaltou.

Fonte: Correio Braziliense

publicidade