Mercado volta a prever inflação menor e PIB maior para 2017 - Portal Eletrolar.com
Portal Eletrolar.com

Notícias

Mercado volta a prever inflação menor e PIB maior para 2017

Melhora nas estimativas ocorre após anúncio de que economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre de 2017

Após a divulgação de que a economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre, o mercado financeiro melhorou a previsão para a alta do PIB em 2017, para 0,5%, de acordo com o boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (05.01) pelo Banco Central.

O mercado também voltou a reduzir a previsão para a inflação em 2017, de 3,95% para 3,90%. As projeções dos analistas de bancos foram coletadas na semana passada.

No boletim anterior, produzido com base em estimativas coletadas na semana retrasada, o mercado havia reduzido a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, de 0,50% para 0,49%, e elevado a previsão para a inflação neste ano, 3,92% para 3,95%. A piora nas previsões foi reflexo do agravamento da crise política provocado pelas delações de executivos da JBS.

Se por um lado o novo boletim Focus, divulgado nesta segunda, reflete o resultado do PIB no primeiro trimestre, por outro é preciso considerar que o documento foi produzido antes da prisão do ex-deputado Rodrigo Roucha Loures, que ocorreu no sábado (3) e voltou a agravar a crise política que atinge o governo do presidente Michel Temer.

Para o fechamento de 2018, o mercado manteve a previsão de inflação em 4,40%, mas reduziu a estimativa de crescimento do PIB de 2,48% para 2,40%.

Juros

Pela oitava semana seguida, os analistas de mercado ouvidos pelo BC mantiveram a previsão de que a taxa básica de juros, a Selic, chegará no final do ano em 8,5%.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) voltou a cortar a Selic em 1 ponto percentual e a taxa agora está em 10,25% ao ano.
Já a previsão para a taxa de câmbio, ou seja, a cotação do dólar, aumentou de R$ 3,25 para R$ 3,30 ao final de 2017.

Para o fim de 2018, a previsão da Selic dada pelos analistas também é de 8,50%. Para a taxa de câmbio, a estimativa é de R$ 3,40 ao final do ano que vem.

Balança e investimentos
Os analistas ouvidos pelo Banco Central esperam que a diferença entre o que o Brasil vende para o exterior e o que ele comprar seja ainda maior. A estimativa para o superávit (exportações maiores que importações) da balança comercial aumentou de US$ 56,2 bilhões para US$ 56,4 bilhões.

Já a previsão para 2018 é de um superávit de US$ 43,06 bilhões. Na semana passada, o mercado estimava um superávit de US$ 43,12 bilhões.

A expectativa de entrada de investimento estrangeiro no país caiu pela segunda semana seguida, passando de US$ 79 bilhões para US$ 78 bilhões. Para 2018, o mercado manteve a previsão de entrada de US$ 78,75 bilhões em investimentos diretos no país.

Fonte: G1

publicidade