Portal Eletrolar.com

Notícias

Lucro da Amazon mais que dobra no 4º trimestre de 2017

Resultado foi impulsionado em grande medida pela reforma fiscal aprovada em dezembro pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.


A Amazon lucrou US$ 1,9 bilhão no quarto trimestre de 2017, mais do que o dobro do registrado no mesmo período de 2016, quando os ganhos chegaram a US$ 749 milhões.

O lucro foi impulsionado em grande medida pela reforma fiscal aprovada em dezembro pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que, no caso específico da Amazon, se traduziu, provisoriamente, em um crédito de US$ 789 milhões, informou a empresa.

Entenda a reforma de Trump que levou empresas a subir salários e criar vagas nos EUA
No ano de 2017, a companhia teve lucro de US$ 3 bilhões – resultado 20% maior do que no ano anterior, segundo os resultados apresentados pela companhia de comércio eletrônico nesta quinta-feira (1º).

A companhia obteve ainda um lucro líquido por ação de US$ 6,15 ao longo de 2017, acima dos US$ 4,90 conseguidos no ano anterior.

No último trimestre do ano, a Amazon registrou lucro líquido de US$ 3,75 por ação, frente aos US$ 1,54 que alcançou no mesmo período do ano anterior. Esta cifra superou amplamente as expectativas dos analistas, que estimavam um ganho líquido de US$ 1,83 por ação.

Além disso, os investimentos da Amazon entre outubro e dezembro, de US$ 41,3 bilhões (um aumento de 34% em comparação com os US$ 30,6 bilhões do mesmo período de 2016), foram superiores ao esperado.

O resultado operativo anual, no entanto, caiu 2% ao registrar US$ 4,1 bilhões em comparação com os US$ 4,2 bilhões do ano anterior.

A Amazon contratou quase 130 mil funcionários no mundo todo em 2017, excluindo as aquisições.

A Amazon anunciou nesta semana sua intenção de criar uma companhia que atenderá às necessidades médicas de todos os seus funcionários, uma iniciativa conjunta com o principal grupo bancário dos Estados Unidos, JPMorgan Chase, e a firma financeira do bilionário Warren Buffett (Berkshire Hathaway).

Fonte: G1

publicidade