Portal Eletrolar.com

Notícias

Economistas elevam projeções para inflação e dólar, mostra Focus

Para o dólar, o boletim do BC mostrou que os especialistas consultados passaram a ver uma cotação de 3,75 reais no final de 2018


As expectativas do mercado para a inflação neste ano e no próximo foram elevadas na pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira 27.08, diante da perspectiva de um dólar mais alto em 2018.

Para este ano, a alta do IPCA é calculada no levantamento em 4,17%, enquanto que para 2019 fica em 4,12%, 0,02 ponto percentual a mais do que na semana anterior em ambos os casos.

Enquanto para 2018 o centro da meta oficial é de 4,50%, para o próximo ano é de 4,25%. Para ambos, entretanto, a margem de tolerância é de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Em agosto, a alta do IPCA-15 desacelerou a 0,13%, ante 0,64% em julho, menor nível para o mês em oito anos, levando o avanço em 12 meses para 4,30%.

Para o dólar, o Focus mostrou que os especialistas consultados passaram a ver uma cotação de R$ 3,75 no final de 2018, de R$ 3,70 antes, depois de a moeda norte-americana ter terminado a semana passada no patamar de R$ 4,10 . A projeção para o final de 2019 é de que o dólar encerre a R$ 3,70 , sem alteração sobre o levantamento anterior.

Mesmo com a atual pressão do dólar, o nível baixo de inflação e as expectativas ancoradas mantêm o espaço para que o BC deixe os juros baixos, e os especialistas consultados mantiveram a visão de que a Selic fechará este ano no atual patamar e mínima histórica de 6,50%, terminando 2019 a 8%.

O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também vê a Selic a 6,5% este ano, mas para o ano que vem elevou sua projeção a 7,75%o, de 7,63% na mediana das estimativas da pesquisa anterior.

Já em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2018, houve ajuste para baixo a 1,47%, de 1,49%, com as contas para o aumento da produção industrial sofrendo forte corte a 2,61%, de 2,73%. Para 2019, entretanto, permanece a expectativa de expansão de 2,50% do PIB.

Fonte: Exame/Reuters

publicidade