Portal Eletrolar.com

Notícias

Confiança de micro e pequenos empresários é a maior em quase três anos

Pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas mostra que clima de otimismo prevalece no setor


A confiança das micro e pequenas empresas registrou o maior nível desde maio de 2015, mostrou pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O indicador que mede esse sentimento atingiu 55,3 pontos em março, acima dos 53,2 pontos de fevereiro. Pela sexta vez consecutiva, o resultado ficou acima dos 50 pontos e indica que o clima de otimismo prevalece entre os entrevistados, dizem as instituições.

Conforme o levantamento, o Indicador de Condições Gerais subiu de 34,4 pontos em março de 2017 para 43,7 pontos mesmo mês deste ano, o maior desde o início da série histórica em maio de 2015. O índice abaixo do nível neutro de 50 pontos mostra que os empresários ainda não enxergam os últimos seis meses de forma favorável, embora o crescimento do índice aponte uma interrupção na trajetória de piora.

Em termos percentuais, 45% dos micro e pequenos empresários sondados consideram que as condições da economia brasileira pioraram nos últimos seis meses. Apesar do número elevado, o estudo destaca que esse percentual chegou a 61% em março de 2017. Já a proporção dos que notaram melhora da economia ficou em 24% em março.

Com relação à avaliação do desempenho dos negócios: em um ano, o percentual dos que notam melhora do próprio negócio passou de 15% para 26%; já o percentual dos que notam piora passou de 50%, em março de 2017, para 33% em março de 2018.

Entre os que avaliam que o quadro de sua empresa piorou, 75% imputam a piora à redução das vendas por conta da crise. Além desses, 30% citam o aumento dos preços dos insumos e matérias primas. Já para aqueles que notaram melhora do seu negócio, 57% notaram aumento das vendas, a melhora da gestão da empresa (30%), a modificação do mix de produtos e serviços oferecidos (15%) e a redução dos custos da empresa (14%).

O Indicador de Expectativas, que serve de parâmetro para avaliar o que os empresários aguardam para o futuro, ficou em 64 pontos em março de 2018. De acordo com a pesquisa, 51% dos micro e pequenos empresários estão em algum grau confiantes com o futuro da economia do país contra 16% de pessimistas. Quando essa análise se restringe à realidade da sua própria empresa, o índice aumenta e atinge 62% dos empresários otimistas contra 10% que manifestaram pessimismo com o futuro de seus negócios.

Outro dado investigado pela pesquisa foi o faturamento das empresas. A maior parte (51%) dos micro e pequenos empresários acredita que o faturamento poderá crescer nos próximos seis meses. Outros 40% avaliam que não se alterará ao longo do primeiro semestre do ano, contra apenas 6% dos que esperam queda das receitas.

Fonte: Valor Econômico

publicidade