Confiança da indústria avança em julho, diz FGV - Portal Eletrolar.com
Portal Eletrolar.com

Notícias

Confiança da indústria avança em julho, diz FGV

Com melhora, índice recupera menos da metade da queda de 2,8 pontos no mês anterior

producao industrial
Os empresários da indústria estão mais confiantes com a economia. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 1,3 ponto em julho de 2017, para 90,8 pontos, recuperando menos da metade da queda de 2,8 pontos no mês anterior.

Segundo a FGV, a alta da confiança alcançou 10 dos 19 segmentos industriais e atingiu tanto as percepções sobre a situação atual quanto as expectativas para o futuro. O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 1,4 ponto, para 88,4 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE) aumentou 1,3 ponto, para 93,4. Mas os dois subíndices não recuperaram as perdas registradas em junho, de 2,0 pontos e 3,6 pontos, respectivamente.

Situação atual
As melhores avaliações sobre a situação atual dos negócios exerceram a maior influência para a alta do ISA no mês. O indicador aumentou 3,7 pontos entre junho e julho, para 87,5 pontos. Apesar de contemplar mais de um terço das empresas, a parcela das que consideram a situação dos negócios fraca em julho, de 33,7% do total (36,2% em junho), é a menor desde fevereiro de 2015 (30,8%).

Houve também um aumento da parcela de empresas que avaliam a situação como boa, de 9,4% para 12,3%.

Expectativas
A maior influência para a melhora da expectativa em julho veio das perspectivas para a evolução do total de pessoal ocupado nos três meses seguintes. O indicador subiu 6,8 pontos, para 92,4 pontos, compensando quase inteiramente a queda no mês anterior, de 7,0 pontos. Houve aumento da proporção de empresas prevendo crescimento do quadro de pessoal, de 9,3% para 16,0%, e diminuição das que preveem redução, de 20,9% para 18,4%.
Uso da capacidade instalada

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) da indústria avançou 0,5 ponto percentual (p.p.) em julho, para 74,7%, recuperando a queda observada no mês anterior (-0,5 p.p.) e retornando ao nível de maio deste ano.

Fonte: G1

publicidade