Portal Eletrolar.com

Notícias

Caixas eletrônicos de criptomoedas chegam à Argentina para explorar volatilidade do peso

A Athena e a Odyssey têm ambições de se expandir em outros países latino-americanos, como Brasil, Chile e México.


A Argentina pode receber até 30 caixas eletrônicos de compra e venda de bitcoins até o final do ano, afirmaram representantes da indústria, uma expansão do mercado de criptomoedas na esteira de uma crise econômica que derrubou o peso argentino.

A Athena Bitcoin, empresa norte-americana especializada em caixas eletrônicos de criptomoedas, lançou a primeira máquina na Argentina no mês passado em um shopping de Buenos Aires, informou um porta-voz da empresa à Reuters.

A também norte-americana Odyssey, disse que dos 150 caixas eletrônicos que pretende instalar até o final do ano na Argentina, 80% deles estarão realizando operações em bitcoin nos primeiros meses de 2019.

Criptomoedas são moedas virtuais não lastreadas por qualquer banco central ou ativo sólido, com o bitcoin sendo a maior e mais conhecida. “Com as desvalorizações da moeda, tivermos aumento nas transações de bitcoin. Vemos isso como uma garantia contra a oscilação do peso, bem como uma oportunidade de investir”, disse Dante Galeazzi, gerente de operações da Athena na Argentina.

O peso perdeu mais de 50% do valor em relação ao dólar até agora em 2018.

Ao contrário das máquinas Athena, que só permitem que os clientes comprem e vendam moedas digitais, os caixas eletrônicos da Odyssey poderão concluir transações bancárias tradicionais, incluindo depósitos, saques e transferência de dinheiro.

A Octagon, empresa do Odyssey que processará as transações de caixas eletrônicos na Argentina, espera instalar cerca de 1.600 caixas eletrônicos habilitados em bitcoin no país daqui a um ano, disse o gerente geral da empresa, Begona Perez De Solay.

Tanto a Athena quanto a Odyssey disseram que também têm ambições de se expandir em outros países latino-americanos, como Brasil, Chile e México.

Fonte: Reuters

publicidade