Portal Eletrolar.com

Notícias

Banda larga eleva previsão de crescimento da Furukawa para 20%

A empresa ampliou a produção de sua fábrica brasileira de fibras em 20% e da unidade de conectividade em 40% para dar conta da demanda aquecida


Para atender a demanda aquecida, a Furukawa, que está investido neste ano fiscal US$ 12 milhões, aumentou em 20% a produção de fibras de sua fábrica de Sorocaba, no interior de São Paulo, e antecipou de janeiro de 2019 para este mês a ampliação em 40% da produção da unidade de conectividade instalada em Curitiba (PR), além de dobrar a produção de caixas de emendas, localizada na mesma área. Com isso, a receita líquida de Furukawa na América Latina deverá atingir R$ 1,2 bilhão, além dos R$ 1,050 bilhão planejados para o ano fiscal que se encerra em 30 de março de 2019.

Foad Shaikhzade, presidente da empresa, explica este desempenho, crescimento entre 20% e 22%, por dois fatores: o aumento da demanda interna no Brasil, com a Claro e a Oi voltando a investir em FTTH — e a Telefônica acelerando ainda mais seus investimentos —, os provedores regionais mantendo o ritmo de compras do ano anterior e a desvalorização cambial. O aumento das vendas no Brasil vai compensar a queda nas vendas no mercado externo, decorrentes principalmente das turbulências no mercado argentino. Como resultado, diz Shaikhzadeh, as exportações, que no último exercício fiscal responderam por 28% da receita, deverão ficar com uma fatia de 24%, mesmo percentual dos canais. Os 52% restantes estarão em mãos de operadoras, provedores e utilities.

Mas se no ano que terminou em 30 de março de 2018 os provedores responderam pela maior fatia do bloco que inclui as operadoras, no atual exercício, acredita ele, a relação deverá de inverter com algumas das grandes voltando a investir em fibra óptica. “Não que os provedores regionais não estejam comprando. Eles mantêm o ritmo de crescimento. Mas o volume das grandes operadoras é maior”, diz, lembrando que a Oi retomou as compras este ano, com a recuperação judicial, e a Claro, que mantinha a aposta na tecnologia do cabo, virou sua estratégia para o FTTH.

Fonte: Tele.Síntese

publicidade