Portal Eletrolar.com

Notícias

Apple é a primeira a atingir US$ 1 trilhão

Valor de mercado, alcançado ontem, deixa para trás concorrentes como Microsoft, Amazon e Google


A Apple tornou-se a primeira companhia a atingir valor de mercado de US$ 1 trilhão, superando antigas rivais, como a Microsoft, e outras mais novas, como a Amazon e a Alphabet.

O marco foi alcançado ontem 02.08, depois de a cotação das ações chegar a US$ 207,05, impulsionada pela combinação de fortes vendas do iPhone e de um amplo programa de retorno de capital aos acionistas, da ordem de centenas de bilhões de dólares.

Passados 20 anos desde que Steve Jobs, cofundador da Apple, voltou à companhia para tirá-la da beira da falência, a empresa tem prosperado graças a uma sucessão de produtos e serviços bem-sucedidos como o iPod, o iPhone, a iTunes e a App Store.

Atingir a marca do trilhão de dólares é um momento particularmente especial para o executivo-chefe da Apple, Tim Cook, cujo comando tem sido questionado de forma constante desde que sucedeu Jobs, morto em 2011.

“O preço das ações é um resultado, não um feito por si só”, disse Cook, em entrevista à revista “Fast Company”, neste ano. “Para mim, é tudo uma questão de produtos e pessoas.”

A tarefa de antecipar quando a Apple chegaria ao trilhão de dólares foi dificultada pelas imensas operações de recompra de ações da empresa, que somaram US$ 20 bilhões só no último trimestre. A declaração mais recente enviada pela companhia às autoridades mostrava uma contagem de 4,83 bilhões de ações em 20 de julho.

O valor de mercado é apenas um dos indicadores do sucesso de uma empresa. A Amazon supera a Apple em cerca de US$ 50 bilhões segundo outro critério, o de valor de empresa, que é a soma do valor de mercado mais o endividamento da companhia.

Embora a Apple ainda não tenha lançado nenhuma inovação à altura de seu iPhone, que já tem 11 anos e ainda é responsável por quase 70% da receita anual da empresa, Cook levou a empresa a novos patamares ao criar uma linha de produtos e serviços auxiliares, como os fones de ouvido AirPod e o novo serviço de transmissão de músicas on-line.

Na esfera administrativa, ele defendeu pessoalmente questões de privacidade e direitos humanos, mantras que ajudaram a motivar o pessoal da Apple mesmo durante os últimos anos de altas oscilações das ações.

Com o designer Jonathan Ive e outros auxiliares como Craig Federighi e Phil Schiller à frente do desenvolvimento de novos produtos, Cook atuou como um diplomata, defendendo a Apple de questões levantadas por acionistas ativistas e órgãos reguladores pelo mundo, desde os locais até autoridades em Bruxelas e Pequim.

Cook, ao lado do diretor de finanças, Luca Maestri, também se mostrou um piloto talentoso para guiar os enormes lucros da Apple. A alta das ações nos últimos meses foi atribuída, pelo menos em parte, ao plano da Apple para repatriar os lucros externos e devolver a maior parte de seus mais de US$ 100 bilhões em caixa líquido aos acionistas, sob as n

Isso ajudou a conquistar o apoio de investidores de longo prazo como Warren Buffett, que elogiou a Apple por sua “extraordinária marca de consumo” e por seus retornos financeiros. “Vejo como esse ecossistema é forte, em grau extraordinário”, disse Buffett à rede de TV CNBC neste ano, destacando que o iPhone é um produto viciante.

O preço das ações da Apple, levando em conta os dividendos, aumentou quase 2.000% desde que Cook assumiu o comando, em janeiro de 2009, a princípio temporariamente, enquanto Jobs se submetia a um tratamento de câncer.

“Um de meus papéis é tentar evitar que o barulho atrapalhe as pessoas que realmente estão fazendo o trabalho”, disse Cook, em fevereiro. “Trabalhei em uma companhia, muitos anos atrás, na qual em cada corredor você via as cotações sendo monitoradas. Você não vai ver isso aqui.”

Gene Munster, ex-analista em Wall Street e atualmente investidor no setor de tecnologia na Louve Ventures, disse nunca ter imaginado que se chegaria a este marco quando começou a cobrir a companhia, em 2004. “A Apple abraçou o ‘dilema do inovador’ como nenhuma outra empresa fez na história, o que é mais bem exemplificado pelo iPhone, que praticamen

Os investidores continuam a especular se os projetos secretos da Apple para desenvolver carros autônomos, óculos de realidade aumentada ou um novo serviço de “streaming” de vídeos vão manter o lugar da companhia no topo do mundo da tecnologia.

“Olhando à frente, não poderíamos ficar mais entusiasmados com os produtos e serviços em nossos canais de desenvolvimento”, disse Cook, em conferência telefônica sobre os lucros nesta semana.

Um caso anterior de suposta superação da marca do trilhão de dólares deu-se brevemente com a petrolífera estatal chinesa PetroChina, que atingiu esse patamar em termos nominais no primeiro dia de negócios, depois de sua abertura de capital, em 2007. Alguns observadores do mercado acionário, entretanto, argumentam que esses cálculos foram baseados na classe de ação listada em Xangai, sem levar em conta o preço da classe que já era negociada em Hong Kong.

Fonte: Valor Econômico

publicidade