Portal Eletrolar.com

Notícias

Apple, Amazon e Google são as marcas mais valiosas do mundo

Relatório da Interbrand listou as 100 marcas mais rentáveis; das 10 maiores, seis são do segmento de tecnologia


Apple, Amazon e Google são as marcas mais valiosas do mundo, segundo o relatório da Interbrand, divulgado nesta semana. O levantamento das 100 maiores empresas leva em consideração a sua influência na escolha do cliente, a força em relação à concorrência e o desempenho financeiro atual e especulado.

Das 10 empresas mais rentáveis, seis são do segmento tecnológico. O valor da Apple cresceu 16% e está avaliada em US$ 214 bilhões (R$ 824 bilhões). O Google teve valorização de 10% e soma US$ 155 bilhões (R$ 597 bilhões) enquanto a Amazon cresceu 56% e acumula US$ 101 bilhões (R$ 389 bilhões).

“As marcas que mais crescem nos últimos cinco anos do estudo são tipicamente as mais relevantes para a vida das pessoas e as mais sensíveis às suas necessidades em constante mudança”, ressaltou o chefe executivo da Interbrand em Londres, Christian Purser.

O valor total combinado do ranking ultrapassa a marca dos US$ 2 trilhões (R$ 7,7 trilhões), representando um aumento de 7,7% em relação a listagem do último ano.

5 segmentos protagonizam lista

Mais da metade das 100 marcas mais valiosas são de 5 setores: automotivo (16), tecnologia (13), serviços financeiros (12), luxo (9) e bens de consumo (9). O luxo é o setor de maior crescimento (42%). A marca do segmento mais valiosa é a Louis Vuitton, na 18ª posição, com valor de US$ 28 bilhões (R$ 107 bilhões).

Entre os estreantes na lista da Interbrand estão o Spotify, no 92ª posição, e a montadora Subaru, em 100ª. Este ano também marcou a volta da Chanel, em 23º e a Nintendo, na 99ª colocação.

1ª Apple (US$ 214 bilhões)
2ª Google (US$ 155 bilhões)
3ª Amazônia (US$ 101 bilhões
4ª Microsoft (US$ 93 bilhões)
5ª Coca-Cola (US$ 66 bilhões)
6ª Samsung (US$ 60 bilhões)
7ª Toyota (US$ 53 bilhões)
8ª Mercedes-Benz (US$ 49 bilhões)
9ª Facebook (US$ 45 bilhões)
10ª McDonald’s (US$ 43 bilhões)

Fonte: IstoÉ Dinheiro

publicidade